Animes Destaque Da Semana #29 - Orange Episódio 13 - A morte, e também a vida!




Esse artigo tem o objetivo de falar um pouco sobre os episódios dos animes em lançamento na temporada corrente. O artigo será formado por animes que na minha opinião mereceram destaque na semana, então vou falar sobre seus episódios e minhas expectativas, esperando sempre a colaboração de vocês leitores!

***

Yopa Pessoal! Com imensa emoção trago para vocês hoje a review do último episódio de Orange! Uma obra que muito nos emocionou e surpreendeu! O melhor de tudo é que esse episódio teve a incrível abertura, diferente do episódio passado onde para a decepção cortaram ela... Bom em todo caso, vamos para a última review de Orange... Ou quem sabe penúltima? Bom, vamos lá...

Orange
(Episódio 13)


Enfim, a conclusão veio! O nosso tão esperado episódio final veio e conseguiu ser o que era esperado. Eu vi o anime e li o mangá e posso dizer que a adaptação da obra foi perfeita, algumas pouquíssimas linhas se perderam na adaptação, posso dizer que a transição de mangá para anime foi um sucesso! Tivemos sim nesses treze episódios alguns momentos onde a animação pecou, mas acredito que não foi a ponto de o erro se tornar importante para um julgamento final da obra. Devo dizer primeiramente a você que não acompanha o blog a muito tempo, que no inicio da temporada Orange foi minha aposta de melhor anime, e apesar de ser algo bem pessoal, a obra conseguiu realmente me conquistar, e não me decepcionou nem um pouco, com satisfação vi até o último segundo de anime, e ele cumpriu o que a proposta exibia! O drama foi embalado em um doce e quente romance cheio de expectativas a cada episódio, e o humor mais contido ficou por conta de parte do elenco, que mesmo não tendo muito tempo para ser desenvolvido, ainda conseguiu ser memorável. Enfim, vou começar a review de Orange, e alerto que vou contar uma novidade no fim do texto, novidade essa sobre a obra, então não deixe de ir até o final se você como eu adorou o anime de Orange!

O episódio treze, que foi anunciado como um especial de uma hora (para nós acabou sendo menor pois entrevistas e coisas do tipo não vem no episódio{Infelizmente}) começou como no mangá, introduzindo o dia quatorze de fevereiro, dia dos namorados no Japão, um ponto que desde o inicio da obra foi exibido como peça chave para a trama, o momento onde o futuro se dividiria em duas versões, uma terminando com a morte de Kakeru, e uma ainda desconhecida. O caso é que o episódio também foi focado em demonstrar
os sentimentos de Naho; uma tímida garota Japonesa, e você leitor precisa ter em mente que a cultura Japonesa é muito diferente da nossa, a timidez no contato social é enorme, de forma que sem exprimir aqui dados concretos posso afirmar que a cultura Japonesa é muito contida, a ponto de um abraço entre amigos ser algo impensado (link para um artigo focado no assunto). Naho, sendo ela criada a partir do modelo da mais típica heroína de mangás shoujo precisava hesitar, e se conter mesmo em um momento tão crucial, e assim foi na introdução do episódio onde Naho por diversas vezes tentou entregar o tão esperado chocolate do dia dos namorados para Kakeru; mas a dor da perda fez a personagem avançar com força ultrapassando a barreira da timidez belo bem de Kakeru. Ao que Naho derrotou a si mesma, tivemos uma brilhante introdução de Ueda, a senpai malvada que por algum tempo namorou Kakeru e muito problema causou a Naho; Ueda foi introduzida agora como alguém já conformada com a derrota, ela até que tentou atacar Naho, mas o momento também foi perfeito para Naho demonstrar uma força inédita, ela quase que atropelou a antiga rival. Nesse ponto já estava clara a evolução de Naho, e que agora bastava alcançar Kakeru, alcançar não apenas fisicamente como também emocionalmente, e era nítido que Naho agora não agiria com cuidado afinal em pouco tempo tudo estaria acabado de uma forma ou outra.

Kakeru é um fragmento quebrado, estilhaçado, sua alma em bagunça não pode suportar mais feridas, e era de se esperar que nesse estado ele evitasse maior aproximação de Naho, o medo era ferir ela, algo que mataria Kakeru; a única defesa do jovem perturbado pelo espírito da culpa foi se trancar, evitar se aproximar de Naho mesmo que sentisse precisar disso, e essa barreira criada por Kakeru era o maior obstáculo até então. Felizmente Naho tinha antes de tudo uma missão de importância inimaginável, ela precisava transmitir as palavras de sua versão futura para Kakeru, as palavras que pessoalmente ela jamais poderia dizer. As palavras delicadas e verdadeiras foram a melhor arma para destruir o muro que Kakeru havia criado a sua volta, e Naho continuou falando com sinceridade e o obstáculo quase intransponível desabou não aguentando as palavras de Naho. Kakeru precisava ouvir exatamente o que Naho disse, o garoto que havia falhado de forma tremenda com a mãe, não podia se imaginar falhando novamente, mas para um humano ser perfeito é um fardo insustentável, Kakeru precisava de permissão para se permitir falhar; foi o que Naho fez, deixou explicito que o mais doloroso seria não ter ele por perto, a garota concluiu com um forte abraço. Naho não se conteve mais, e até mesmo pediu ele em namoro, ela saiu totalmente do padrão, saiu da sua área de conforto e conquistou de vez o coração de Kakeru. No fim a difícil tarefa de entregar o amassado chocolate se tornou fácil, pois Kakeru mesmo pediu por ele, pois era algo que desejava muito.

É claro que muito peso foi colocado nas costas de alguns colegiais ingênuos, mas após tudo ficar bem entre Naho e Kakeru, todos começaram a se sentir leves, o último peso a se eliminar foi o de Suwa, que pediu com vigor para ninguém nunca contar para Naho ou Kakeru que em um futuro correndo sem interferência das cartas quem se casaria com Naho seria ele. Suwa mais uma vez se demonstrou cheio de caráter e amor
aos amigos, novamente se sacrificou pelo bem de Kakeru. O interessante é que após isso o clima pesado e tenso deu lugar a um otimismo pelo futuro, Suwa planejando com Kakeru pequenos detalhes do clube de futebol, e até mesmo Hagita fazendo de suas cenas cômicas. Naho também estava aliviada, tanto que quase falou mais do que precisava com Kakeru, a felicidade foi tanto que a nova Naho até se esqueceu de ser tímida e contida, abriu seu coração com tudo para Kakeru, chorou e contou a profundidade de seus sentimentos para Kakeru; e aproveitando a ocasião até falou o que no passado não teve coragem de falar, no fim o único envergonhado foi Kakeru.

É claro que após tanto tempo de esforço, uma reviravolta dessas não serviria de descanso completo para o grupo de amigos, mesmo o mais otimista entre eles ainda estava cheio de terror em pensar no momento narrado pela carta como o momento final, onde Kakeru em desespero cometeria suicídio. Para acalmar o coração de todos apenas uma confirmação definitiva de que agora tudo correria pelo caminho que eles gostariam; apesar da proposta de Hagita de quebrar a bicicleta e evitar que ele a usasse, a melhor escolha foi aguardar Kakeru no exato lugar onde ele havia ido para o suicídio. Decisão acertada demais, o fato é que existia um elemento de importância imensurável o qual nem mesmo no futuro foi revelado, o celular deixado pela mãe de Kakeru contendo uma mensagem tão gentil que tinha o potencial de desfazer tudo aquilo que eles se esforçaram em colocar no lugar; todo o esforço poderia ser quebrado por algumas linhas de uma mensagem de texto simples, e gentil, e até mesmo bem-intencionada. A hora aproximada chegou, e agora bastava descobrir o resultado, um terrível momento de expectativa, e ao chegarem até a casa de Kakeru a descoberta foi horrível: ele de fato havia saído para cometer suicídio. O pior de tudo é que por algum motivo a linha do tempo havia mudado, e agora eles não tinham nem ideia de para onde ele poderia ter ido, em uma busca angustiante e cheia de desespero o grupo de amigos começou a buscar pela proximidades da casa de Kakeru. O momento mais terrível foi quando ao longe Naho pôde ver Kakeru prestes a se lançar na frente de um caminhão, em desespero o grupo se reuniu a volta do garoto ainda caído, e com um terrível suspense puderam constatar que ele estava vivo! Mas como?

Bom, nessas últimas semanas eu estou com uma ótima mira, e acertei completamente o que aconteceria! Como eu havia dito no artigo anterior, no último momento, assim como na versão original a vida de Kakeru passou diante de seus olhos, porém diferente da versão original onde momentos de quase felicidade e falhas
tomaram conta do cenário vazio, dessa vez Kakeru apenas conseguiu se lembrar de momentos felizes seja com Naho ou com seus amigos. Não havia momento com eles que fosse de arrependimento, ele estava ali cercado de boas lembranças e momentos que não desejava esquecer, muito pelo contrário eram momentos que gostaria de multiplicar, viver muito mais deles, os momentos foram cruciais para o resultado, onde Kakeru desejou não morrer e evitou no último segundo o golpe fatal. No fim cada pequeno momento foi importante, cada pequena mudança e esforço somou para um resultado muito maior no final. O futuro imutável era o que ele tentaria se matar, porém a pequena divisão entre os resultados vindouros seriam as pequenas e muitas ações que foram se somando ao decorrer dos episódios. Não bastava que eles impedissem Kakeru de cometer suicídio, era necessário que essa atitude fosse feita por ele mesmo, no fim quem impediu que o resultado fosse a morte, foi o próprio Kakeru, a missão de Naho e seus amigos foi meramente expor a Kakeru que existia um lugar confortável para ele viver, no fim ele precisou se agarrar a essa proposta de vida.

No fim de fato eles contaram para Kakeru das cartas, seria uma traição não contar. Apesar de ter sido um momento um pouco veloz, e com consequências quase que zero, o momento precisava acontecer. Não sei exatamente se o momento era aquele, se na situação ali apresentada revelar as cartas seria uma boa ideia, mas foi como correu, eles fizeram a grande revelação e no fim outras cinco cartas surgiram, cada um havia enviado cartas para o Kakeru também; o conteúdo era apenas arrependimento, de forma tão direta que certamente fez mais uma vez Kakeru entender a importância que ele tem para os amigos.

Entre passado e futuro nenhum grande arrependimento sobrou. Enquanto no futuro pouco eles sabem sobre o resultado de suas ações, na versão alternativa resta apenas agradecimentos para a ação que deslocou o destino, o destino foi mudado em nome da amizade e do amor. O futuro agora é uma carta em branco, ainda a ser preenchida com histórias felizes e dolorosas, mas dessa vez uma carta escrita por seis pessoas, não cinco.

Pessoal, chegamos ao fim de Orange! Que anime incrível não é verdade? Para mim só vão restar boas memórias dessa obra cheia de mistério, amor e drama! No fim muitas foram as revelações (a maior foi a do Hagita ter quebrado a bicicleta :v). Infelizmente o sentimento de falta que a obra trouxe é imenso, e realmente senti que faltou mostrar um pouquinho mais sobre o resultado da mudança no destino, mas para tudo há jeito não é? Há uma notícia muito boa para todos os fãs que se sentiram como eu, como eu havia dito na introdução há algo que vocês precisam saber: Haverá um filme dando uma conclusão ainda mais detalhada da obra. O filme irá estrear no próximo mês no Japão! Infelizmente para nós Brasileiros ele deve ainda demorar alguns meses para chegar traduzido, mas deve vir. Nesse momento, irei fazer uma review do filme para completar tudo pessoal!



Então, agora nos resta as ótimas memórias da obra, e a espera pelo filme que em breve surgirá por ai! Bom pessoal, concluímos Orange, e agora só podemos olhar para o futuro esperando as emoções dos próximos animes que acompanharmos não é? Bom, até a próxima!