Meditando no Enredo - #4 Isshuukan Friends: A fronteira da amizade!

Esse é um artigo que busca desenvolver melhor alguns assuntos propostos de forma mais tímida por alguns animes. Normalmente o artigo se desenvolve comparando fatos da realidade, com o assunto proposto no anime escolhido da semana, e justificando/explicando fatos comuns nos animes.

***

Isshuukan Friends é um anime que já indiquei por aqui há algum tempo, anime bem calmo e com alguma dose de drama e uma pitada de romance, o anime é relativamente atual, tendo sido exibido no ano de 2014, com doze episódios ao todo, e será nossa "base" para o Meditando no Enredo que tratará a cerca de relacionamentos no Japão!

Inicio formal dessa vez não é? Isso prova que eu também posso ser sério quando quero!(Mesmo que muitos duvidem disso).

Hoje eu vou tratar bem pouco de me aprofundar no anime Isshukan Friends, ele vai servir apenas como uma base para introduzir um assunto mesmo, então não teremos grandes spoilers por aqui, mas ainda indico para quem não conhece o anime, ler o artigo de indicação dele, assim poderá conhecer o anime e assistir, ou apenas seguir lendo o texto aqui...

Amigos ou colegas?


Isshuukan Friends, deixa claro logo em seu titulo que pode ser traduzido para algo como "Uma semana amigos" o tema que pretende abordar: Amizade.
Mais que apenas amizade, é a amizade que nasce entre Fujimiya Kaori e Hase Yuuki, mas é claro que quando a amizade entre um garoto e uma garota em idade colegial acontece, o romance fica a apenas um passo... A Amizade entre Kaori e Yuuki é o grande foco do anime, e vai se desenvolvendo vagarosamente ao decorrer de seus doze episódios, porém como um enredo baseado em relacionamentos humanos precisa de um certo drama, o anime nos apresenta uma condição singular de Kaori, que por motivo físico e emocional (E fantasioso demais) "reseta" todas as lembranças de seus amigos sempre que chega a segunda-feira! É como se o cérebro de Kaori tivesse hora e objetivo de limpeza toda semana, sempre as segundas e sempre as lembranças exclusivas de amigos. É claro que com uma condição tão singular, a amizade entre Kaori e Yuuki fica um tanto quanto turbulenta, e sempre um pouco distante, afinal não importa o esforço em avançar a amizade que Yuuki faz, ela sempre vai esquecer no fim de semana tudo que ele fez...

Após ler a introdução baseada em Isshuukan Friends, vamos desenvolver a condição de Kaori em comparação a cultura Japonesa!

Quem dera o único problema de relacionamento do povo Japonês fosse a memória fraca igual Kaori tem! Certamente seria muito mais fácil resolver o problema do povo Japonês...

A amizade é um grande problema no Japão, afinal de contas como fazer um amigo com tantas barreiras impostas pela sociedade a volta? Quer dizer, a primeira barreira para ter um amigo é conseguir conversar de forma relaxada com a pessoa não é? Pois é, mas se você já assiste animes há certo tempo, ou tem conhecimento da cultura Japonesa, deve saber que chamar a pessoa pelo nome exige grande proximidade, então a conversa relaxada já era mesmo... Mas é claro que não paramos por ai, os chamados "Sufixos" que podem servir como uma forma de pronome de tratamento, são presentes em quase todas as conversas, então você vai precisar saber exatamente como tratar a pessoa que está tentando ficar amigo, e a hierarquia pode ficar muito clara durante toda a conversa, estragando de vez o clima relaxado e divertido que pode gerar uma amizade... Kun, San, Senpai, Chan...? É como tentar ficar amigo do seu chefe que exige ser chamado de "Senhor" o tempo todo, isso sem dúvidas estraga o clima de amizade... Além de tudo não se esqueça, provavelmente no inicio além de um sufixo que pode acabar deixando claro o seu nível hierárquico em relação ao seu suposto "Amigo" você estará o chamando pela soma de: Nome da família e Sufixo. Um exemplo? Durante o anime Isshuukan Friends assistimos o tempo todo os protagonistas se tratando como "Fujimiya-san" e "Yuuki-kun". Meu caro leitor, considere que no inicio desse titulo, eu chamei a "Fujimiya-san" de Kaori, e apenas Kaori, no Japão quando alguém chama uma garota pelo primeiro nome, e sem sufixo nenhum, todos já devem pensar "JÁ COMEU!".

Voltando ao assunto, devo admitir que estabelecer uma amizade nesse clima cheio de regras deve ser muito
difícil, no máximo vamos ver ser criado uma relação de "colega" um termo usado aqui no Brasil para uma relação de amizade mais fraquinha. Quer dizer, amizade de verdade é quando você tem uma relação mais forte com a pessoa, e não quando são "Companheiros de colégio", e essa situação de "amigos por estar na mesma situação" é o que normalmente acontece na cultura Japonesa. Alguma vez você já viu em algum anime, um personagem ser chamado de "Amigo de infância do protagonista" e mesmo assim eles não tem um menor nível de amizade? Ou melhor, ainda se chamam por nomes de família, e apenas conversam sobre colégio e nada mais?  Leitor, imagina ter um amigo e não poder xingar a mãe dele? Ou pior, não poder xingar ele? Ha-Ha Pode parecer só humor, mas não é! Na relação de "Amizade" do Japão fora dos animes e mangás, as pessoas não costumam nem ao menos conversar de seus passatempos ou passar momentos de diversão juntos! Pode parecer exagero, mas esse tipo de amizade acontece, mas é raro! Então quando um anime/mangá apresenta um personagem como "Amigo de infância" trate de ficar assustado e pensar "Nossa, eles são MUITO amigos mesmo em..."

Achou difícil conseguir um amigo para "zuar" pela cidade, e encher a cara de sake mesmo estando no colegial? E quem sabe pegar umas gueixas? Imagina conseguir uma namorada? Que seu amigo lhe ajude, pois é o próximo tema...

O Namoro...


A maior parte dos relacionamentos românticos nascem a partir de uma amizade, porém se é cheio de regras ser amigo de alguém do mesmo sexo, imagina quando é do sexo oposto? Imagine a dificuldade aumentada em dez vezes!

Em Isshukan Friends vamos perceber que desde o inicio nosso protagonista Yuuki deseja algo mais com
Kaori. Vamos perceber ao decorrer dos episódios, que ele mantém um grande ciúme em relação a garota, e por várias vezes tenta manter exclusividade na amizade dela, ou seja quer que ela seja amiga apenas dele. É claro que apesar de ele sempre dar sinais de estar apaixonado por ela, e se declarar por diversas vezes em um corredor ao pôr do sol, a única declaração que ele consegue fazer é de amizade! E quando interrogado por um amigo sobre seu interesse amoroso por Kaori, ele apenas fica nervoso e tenta mudar de assunto! Na outra ponta vemos Kaori, que apenas deseja amizade, e aparenta nem pensar em um relacionamento amoroso com Yuuki (Friendzone) e inclusive demonstra ter vergonha de ser vista com ele em público! Mas no fim as intenções amorosas dos dois fica bem clara, apesar de não chegar a se concluir tão bem como a amizade que eles mantém...

Inicialmente retornando a realidade, vamos esquecer até mesmo das barreiras iniciais de um relacionamento entre amigos, vamos supor que essa barreira já foi quebrada, você ficou muito amigo da garota, a arrastou para uma sala de colégio vazia no pôr do sol, e finalmente fez sua declaração amorosa cheia de palavras bonitas, como por um milagre, a garota aceitou sua confissão... E agora? É só beijar a garota? Desculpa, mas não...

A cultura Japonesa que cria uma distancia muito grande entre as pessoas desde que elas nascem, cria dificuldades para formar amizades e se expressar em público, acaba afetando consecutivamente os relacionamentos românticos da maior parte dos Japoneses, e a timidez é a maior barreira para uma nação tão evoluída culturalmente e tecnologicamente.

O quanto essa timidez, a qual culpamos a falta de outros relacionamentos ao decorrer da vida por causar,
pode influenciar na hora de um relacionamento amoroso? Pode afetar muito! Digamos que um namoro Japonês comum é no máximo, e em caso de muito amor, andar de mãos dadas em público. Então namorar no Japão não é sinônimo de proximidade, então pode esquecer a história de sair beijando a garota... A distancia entre os casais chega a ser tão grande quanto o que é mostrado em obras como animes e mangás shoujo, e as vezes até maior! Sabe quando um anime "desperdiça" muitos episódios apenas para o protagonista masculino conseguir chamar a garota que gosta pelo primeiro nome? Isso não é fantasia, é verdade na cultura Japonesa! É claro que para toda regra há exceções, mas são muito poucas! Posso dizer isso estatisticamente: Apenas 2% dos nascimentos de bebês é fora dos casamentos! É quase zero a porcentagem de relacionamentos sexuais fora do casamento no Japão! É óbvio que alguém desinformado poderia culpar a religião por tal feito, porém nas religiões dominantes do Japão (Xintoísmo e Budismo) não há nenhum grande incentivo ao sexo após o casamento (Ao contrário do Cristianismo, que busca trazer essa realidade aqui no ocidente, porém não funciona muito bem...). As pessoas simplesmente não desenvolvem seus relacionamentos, são sempre mais devotadas ao estudo e trabalho; as notas no colégio e o sucesso da carreira profissional são prioridades para os Japoneses!Uma pesquisa realizada no ano de 2011 no Japão, apontou que cerca de um terço da população com menos de trinta anos de idade, JAMAIS havia tido NENHUM tipo de relacionamento amoroso! É uma realidade assustadora para nós aqui do ocidente imaginar alguém com trinta anos de idade sem nunca ter nem ao menos namorado uma única vez, porém lá pelo Japão essa é uma cruel realidade! Outra pesquisa datada também do ano de 2011, revelou que cerca de 61% dos homens e 49% das mulheres com idades entre 18 e 34 anos são solteiros e não mantém nenhum tipo de relacionamento amoroso! E uma terceira pesquisa relata que existe cerca de 15% de homens de mais de 50 anos de idade que jamais teve um relacionamento amoroso!

Se os números anteriores não assustaram você, saiba que assustaram em muito o governo Japonês, que acelerou os esforços que há muito tempo são feitos para aumentar os casamentos e relacionamentos amorosos no país, afinal de contas números tão assustadores trazem uma terrível realidade para a terra do sol nascente! É natural que você fique se perguntando como a falta de relacionamentos amorosos pode incomodar os governantes, não é mesmo? Mas pense bem: Se apenas 2% dos bebês nascem fora do casamento no Japão, e temos um número enorme de pessoas solteiras, significa que a taxa de natalidade do país é horrível, não é? Com poucas pessoas nascendo, logo a força de trabalho do país vai diminuir, e a economia desmoronar... Não acredita que a situação é tão grave? Pois saiba de uma curiosidade: A venda de fraldas geriátricas é imensamente maior que a venda de fraldas infantis no Japão. Entendeu? Há muito mais idosos para morrer, que crianças nascendo para ocupar seus lugares na sociedade. Em números, o governo Japonês calcula que se a situação não for revertida, a população de jovens com idade abaixo dos 14 anos no ano de 2055 será de apenas 7 Milhões, lembrando que atualmente a população do Japão é de aproximadamente 127 milhões de habitantes! Com apenas 7 milhões de novos habitantes, a economia do país deve desmoronar! Alguns estudiosos (sensacionalistas) chegam a afirmar que em algum momento no futuro, o Japão será extinto!

É claro que existem muitos fatores que levam o país a essa situação, como é o caso do modelo de mercado de trabalho Japonês que exige muito dos trabalhadores e paga bem pouco, ou quem sabe a entrada definitiva das mulheres no mercado de trabalho e a falta de benefícios para a mulher grávida... Porém nesse artigo eu preferi me manter dentro do assunto "Dificuldades de relacionamentos" já que em grande parte do material que pesquisei para o artigo, vi ser citado que os Japoneses fogem de relacionamentos reais para relacionamentos com personagens, pois relacionamentos reais trazem brigas e problemas...

Conclusão

Minha opinião pessoal é que algumas coisas nós aprendemos aos poucos, e relacionamentos interpessoais se encaixam nessas "coisas". Vamos parar para analisar um pouco... Como alguém que nem ao menos consegue se expressar bem com seus amigos, vai conseguir conquistar o grande amor de sua vida? Como alguém que tem dificuldades em chamar a pessoa que ama pelo primeiro nome, vai ter coragem de dar passos bem maiores? Como alguém que nunca beijou, vai projetar ter filhos? É como uma escada, subir ela pode ser fácil, mas se você perde um ou dois degraus, fica quase impossível continuar avançando! A cultura Japonesa sempre foi muito ligada a hierarquia e respeito, cada pessoa carrega antes do próprio nome, o nome da família, manter o nome da família longe da vergonha é mais importante que a vida, todos esses fatores acabam por criar jovens tímidos, e com dificuldade de interação interpessoal, o resultado não poderia ser diferente! Por mais que existam um ou outro que consiga passar por essa barreira, a maior parte vai ficar presa, e quanto menos eles se relacionam, mais distante as pessoas ficam. Pense bem: Existem problemas profissionais e problemas sentimentais, ambos são muito difíceis de se lidar... Então qual é o motivo dos Japoneses apenas quererem fugir dos relacionamentos amorosos alegando que "Relacionamentos amorosos" são complicados? Qual é o motivo de recorrerem a relacionamentos com personagens fictícios? Do meu ponto de vista é simples: Eles foram treinados a vida toda para serem bons trabalhadores, mas nunca foram treinados para relacionamentos! De alguma forma precisam se relacionar, e personagens fictícios foram a forma de escapar da realidade...

A sociedade Japonesa pode ser comparada com a personagem Kamio Misuzu, do anime Air, tal
personagem devido a alguns fatos, sempre tem um ataque de choro toda vez que vai começar uma amizade nova. Assim é a sociedade Japonesa atual, o exato oposto da nossa realidade, uma sociedade que deseja mais que tudo proximidade nos relacionamentos humanos, porém sempre começa a "Chorar" por falta de "Treinamento adequado!".

E Isshuukan Friends? Bom, Kaori e Yuuiki vivem para sempre com uma barreira enorme entre eles! (Brincadeira) Eu sei que pouco falei do anime, mas eu avisei que hoje seria mais sobre a realidade que sobre o anime... A realidade retratada no anime, e que muitas vezes parece fantasiosa e as vezes tediosa para nós, as vezes é o cotidiano comum para o Japão, então esse artigo traz essa proposta, de você reavaliar o que muitas vezes consideramos "bobo" em animes Shoujo/românticos. Já vi muita gente criticando (E já critiquei) o quanto alguns animes perdem tempo com ações singelas como casais andarem de mãos dadas, ou a questão de conversar usando o primeiro nome, mas apesar desses fatos parecerem muito simples para nós do ocidente, para eles tudo faz sentido, e como eles são os autores das obras, seria estranho eles não seguirem o ritmo deles, não é?

Então, para você leitor, que nunca conseguiu uma namorada na vida, pense positivo, ao menos você não é um dos 15% de velhos de cinquenta anos de idade que nunca namorou! (Espero)